Claro que eu vou te machucar. Claro que você vai me machucar. É claro que vamos machucar uns aos outros. Mas esta é a própria condição de existência. Para se tornar primavera, significa aceitar o risco de inverno. Para tornar-se presença, significa aceitar o risco de ausência.
O Pequeno Príncipe. (via inverbos)
Sabe aqueles caras bem sacanas, que te beija e não lembra o teu nome no dia seguinte, aqueles que pegam várias garotas tão vazias como o seu próprio coração? Aquele que te seduz e te conta coisas que você precisa ouvir mas não se importa com tudo isso. Pois é eu tentei ser esse cara nos últimos meses e meio que tava no caminho certo, e é bem legal pois você não se machuca. Mas também é um caminho solitário, onde no final do dia você só quer ter alguém para dividir um sorvete. Talvez eu faça o perfil daquele cara onde faz de tudo pra uma menina se sentir especial, que busca fazer ela rir das piores besteiras que alguém pode falar, aquele que protege de uma chuva tirando a sua própria blusa para a garota não sentir frio. Ou talvez eu não seja nenhum desses dois tipos, talvez eu possa ser impar, uma variação do cara sacana e do cara legal.
O que tem sido isso? Uma mistura de desejo e repulsão. Um tchau com um gosto de quero mais. Como será possível alguém gostar do que eu tenho a oferecer, quando o que eu mais exponho são meus defeitos, quando eu a chamei pra sair e ela me viu beijando outra. Será possível mesmo, ou eu to apenas me engando ? Será uma puta de uma ideia louca que eu esteja criando. Acho que talvez eu esteja ocupado de mais sendo eu mesmo para me apaixonar